COVID-19. Abrimos nossas fronteiras. Leia a informação aqui..

Procure em La Ruta Natural

Aqui você pode pesquisar na página de La Ruta Natural o conteúdo desejado.

Pesquisar:

Rota dos Altos Andes

Catamarca, La Rioja, Mendoza, San Juan

Esta rota é um convite para entrar no coração da Cordilheira dos Andes para descobrir a força das altas montanhas.

Do Aconcágua a Los Seismiles e de Laguna Brava a parques nacionais pouco conhecidos, esta rota atrai alpinistas e amantes do trekking de altitude, mas também oferece experiências para todos os tipos de viajantes, incluindo caminhadas, cavalgadas, safáris fotográficos e esportes de inverno.

Do Aconcágua a Los Seismiles e de Laguna Brava a parques nacionais pouco conhecidos, esta rota atrai alpinistas e amantes do trekking de altitude, mas também oferece experiências para todos os tipos de viajantes, incluindo caminhadas, cavalgadas, safáris fotográficos e esportes de inverno.

Como descobri-la

A Rota dos Altos Andes cobre uma região de cerca de 1.200 km entre Los Seismiles, em Catamarca, e o Vale de Las Leñas, em Mendoza, ao pé dos picos mais altos e imponentes da Cordilheira. É um convite para escalar montanhas e atravessar áreas inóspitas, escassamente povoadas e com paisagens imponentes: ideal para quem procura aventuras.

Cidade de Mendoza. Pode ser o ponto de partida para chegar a Cacheuta e suas fontes de águas termais, à barragem de Potrerillos, ao Parque Provincial Cordón del Plata e à Rota da Alta Montanha que passa por Puente del Inca e o Parque Provincial Aconcágua.

 

São Rafael. Ponto de partida para conhecer o Vale de Las Leñas e desfrutar de suas pistas de esqui no inverno ou de suas lagoas, riachos e trilhas no verão. Você também pode se conectar com a Rota dos Desertos e Vulcões [1]  para chegar ao Cânion del Atuel e, ao sul de Malargüe, a Payunia.

 

Cidade de San Juan e Barreal. A partir destas cidades, você poderá chegar ao Parque Nacional El Leoncito (um dos principais destinos de astroturismo do país com dois observatórios para contemplar o céu e as estrelas), e à Cordilheira de Ansilta e o Cerro do Mercedario (um destino pouco conhecido para fazer trekking e montanhismo).

Villa Unión. Esta cidade da província de La Rioja é a porta de entrada para você visitar a Reserva Provincial Laguna Brava onde vivem vicunhas e centenas de flamingos, percorrendo um caminho com uma paisagem espetacular e colorida.

 

Tinogasta e Fiambalá. A partir dessas duas cidades de Catamarca você pode percorrer a Rota de Los Seismiles, um dos caminhos mais deslumbrantes da região, entre montanhas e vulcões que ultrapassam 6 mil metros de altura.

Como chegar e circular

As capitais das províncias de Mendoza, San Juan, La Rioja e Catamarca contam com aeroportos. No caso de Mendoza, conta com uma boa conexão aérea para diversos destinos nacionais e internacionais. Essas cidades também possuem uma boa frequência de ônibus.

 

A melhor maneira de visitar as atrações é de carro ou com excursões.

 

Em toda a região há estradas de asfalto e cascalho em diferentes condições. Existem rotas que contam com serviços regulares de ônibus e outras que só podem ser percorridas em veículos 4x4.

 

Onde dormir

As capitais provinciais e as cidades próximas aos imperdíveis têm uma boa oferta de alojamento e gastronomia. Outros destinos oferecem áreas para acampamento selvagem.

 

Quando ir

 Durante o ano inteiro.

 Para caminhadas, cavalgadas e atividades de aventura, de setembro a abril. Se você gosta de esportes de neve, os meses ideais são junho, julho e agosto.

Para levar em consideração

Dado o contexto sanitário, informe-se com antecedência sobre quais são os requisitos de acesso à província que você escolher. Algumas atrações podem ter limite de visitantes.

Se você estiver de carro, respeite sempre as velocidades máximas, especialmente em caminhos de montanha que, em geral, têm muitas curvas à beira de precipícios e, às vezes, não há acostamentos.

Algumas estradas não pavimentadas são apenas para veículos 4x4. Pesquise antes de sair. Em vários trechos do caminho não há sinal de celular, antes de sair, avise alguém para onde está indo.

Considere que a partir de 2.500 metros acima do nível do mar podem aparecer sinais do mal de montanha: falta de ar, cansaço, dor de cabeça. Em altitude, as temperaturas noturnas geralmente caem abaixo de 0 graus, mesmo no verão. Traga sempre um casaco extra e comida calórica.

Algumas atrações ficam em locais muito inóspitos e sem serviços. Nesses casos, é importante planejar o passeio e levar suprimentos.

 O vento zonda costuma soprar na área; é um vento muito quente e seco que pode causar desconforto: é essencial que você se hidrate. Quando sopra em locais de altitude, geralmente gera o chamado "vento branco" que pode causar hipotermia.

 

Se você quiser fazer trekking, existem várias opções de subidas a mais de 4.000 metros de altura, mas se você não tem experiência nas montanhas, é recomendável contratar um guia.

Navegue pela rota