COVID-19. Abrimos nossas fronteiras. Leia a informação aqui..

Procure em La Ruta Natural

Aqui você pode pesquisar na página de La Ruta Natural o conteúdo desejado.

Pesquisar:

Rota da Patagônia Andina

Chubut, Neuquén, Río Negro

Entre lagos, bosques e montanhas, a Rota da Patagônia Andina espera por você com alguns dos destinos mais espetaculares da Argentina.

Imã para aqueles que desejam acampar, escalar, percorrer trilhas, navegar, esquiar ou simplesmente relaxar e desfrutar de suas paisagens, a Rota da Patagônia Andina, com 5 parques nacionais e várias reservas naturais, oferece inúmeras experiências e lugares para descobrir. 

Imã para aqueles que desejam acampar, escalar, percorrer trilhas, navegar, esquiar ou simplesmente relaxar e desfrutar de suas paisagens, a Rota da Patagônia Andina, com 5 parques nacionais e várias reservas naturais, oferece inúmeras experiências e lugares para descobrir. 

Como descobri-la

Esta rota abrange a região da cordilheira de Neuquén, Río Negro e Chubut. Para descobri-la, você pode ficar em uma das principais cidades ou destinos e explorar seus arredores, escolher um parque nacional para descobrir em profundidade ou montar seu próprio percurso visitando diferentes parques nacionais, cidades e atrações.

Bariloche. É o principal destino turístico da Patagônia. À beira do lago Nahuel Huapi, conta com uma grande oferta de serviços, hospedagens e passeios por terra e pelo lago. Cada época do ano oferece um cartão postal de cores e experiências diferentes. Daqui, você pode percorrer a área sul do Parque Nacional Nahuel Huapi e se conectar com El Bolsón, Villa La Angostura e outras atrações próximas.

 

San Martin de los Andes. É uma cidade de montanha rodeada de bosques. Possui praias, trilhas para caminhar e pedalar, passeios de barco e muitas atividades de aventura. É o ponto de partida para percorrer a região central e o norte do Parque Nacional Lanín e, para o sul, a Rota dos Sete Lagos.

 

Junin dos Andes. Partindo desta cidade, você pode chegar até o imponente vulcão Lanín. Pela RP 60 e por um caminho pavimentado rodeado de um bosque de araucárias, você poderá ver o lado norte. Pela RP 61, você irá se aproximando do lado sul, margeando o lago Huechulafquen e o Paimún.

 

Villa La Angostura. A 80 km ao norte de Bariloche, nesta vila de montanha protegida pelo Parque Nacional Nahuel Huapi, você poderá observar aves e experimentar atividades como cavalgadas, ciclismo, caiaque e caminhadas. É a porta de entrada para conhecer o Parque Nacional Los Arrayanes, é a extremidade sul da Rota dos Sete Lagos.



El Bolsón. Entre Esquel e Bariloche, a cidade de El Bolsón é um bom lugar para caminhar pela montanha por sua rede de trilhas. É um convite para visitar o Parque Nacional Lago Puelo, a Área Natural Protegida Rio Azul-Lago Escondido e o Lago Epuyén. Se continuar para o sul, você vai chegar até Esquel e ao Parque Nacional Los Alerces.

 

Esquel. É a cidade mais próxima do Parque Nacional Los Alerces, Patrimônio da Humanidade. Conheça seus lagos e rios verdes. Chegue até as cachoeiras e até o “Alerzal Milenario” (lariços milenares), um setor de selva valdiviana com alerces de mais de 2500 anos. Em direção ao sul, de Esquel a Rio Pico, é um paraíso para a pesca esportiva da truta.

 

Villa Pehuenia e Caviahue. Villa Pehuenia é uma vila de montanha no norte de Neuquén rodeada de bosques de araucárias. Pode ser o ponto de partida para conhecer os lagos Aluminé, Moquehue, Ñorquinco e Pulmarí. 200 km para o norte, fica a localidade de Caviahue com trilhas para caminhar, passear pela montanha e desfrutar as águas termais de Copahue

Como chegar e circular

Para conhecer o norte da Patagônia Andina (Villa Pehuenia, Lago Moquehue e Caviahue-Copahue), é conveniente partir do aeroporto de Neuquén Capital. Para a zona centro (de Bariloche a San Martín de los Andes), você tem dois aeroportos: um em San Martín (Chapelco) e outro em Bariloche. Para percorrer a zona sul (El Bolsón, Esquel, Parque Nacional Los Alerces, Trevelin), o aeroporto recomendado é o da cidade de Esquel.

Você pode percorrer grande parte da região de carro. O eixo da Patagônia Andina é a lendária Rota 40, totalmente pavimentada e em bom estado que conecta várias de suas atrações. Alguns caminhos secundários, os acessos aos lagos e aos parques nacionais são de cascalho, por isso, é conveniente verificar o estado dos caminhos. 

Se você não for de carro, é possível contratar passeios para muitas de suas atrações. Alguns circuitos podem ser percorridos de bicicleta. Também, há ônibus de média e longa distância que conectam as cidades e povoados mais importantes. 

No inverno, é importante contar com correntes para a neve e consultar sempre sobre o estado das estradas secundárias. 

 

Onde dormir

Há uma variedade de alojamentos em Caviahue, Villa Pehuenia, Moquehue, Aluminé, Junín de los Andes, San Martín de los Andes, Meliquina, Villa Traful, Villa La Angostura, Bariloche, El Bolsón, Lago Puelo, El Hoyo, Trevelin, Esquel, Corcovado e até Rio Mayo.

 

Existem também vários locais para acampar, cabanas, alojamentos rurais e fazendas.

 

Quando ir

Durante todo o ano. De junho a setembro para esportes de inverno. De outubro a abril para trekking, mountain bike e outras atividades na natureza. De dezembro a março para desfrutar de praias e atividades náuticas.

 

+Informações: clique em CLIMOGRAMA E CALENDÁRIO DA NATUREZA

Para levar em conta

 

Evite incêndios: Dentro dos parques nacionais é proibido fazer fogo. Só é permitido em campings com espaços habilitados. Lembre-se de apagar o fogo com bastante água. Certifique-se também de apagar as pontas de cigarro e descartá-las em um local seguro.

 

Leve seu lixo de volta. Ajude a manter os lugares limpos e bonitos.

 

Devido ao contexto sanitário, saiba quais os requisitos de acesso que a província tem e verifique se a atração escolhida tem limite de visitantes e requer reserva antecipada.

 

O clima pode mudar, mesmo no verão. Leve agasalho, uma capa de chuva e, se estiver em lugares agrestes, leve uma muda de roupa seca. Se for fazer caminhadas, leve o calçado adequado. 

 

Muitas trilhas podem ser percorridas sem ajuda; outras requerem guias profissionais, experiência e equipamento técnico. Esteja atento à sinalização. Respeite sempre as indicações e avise os guardas florestais se o registro de trekking for obrigatório.

 

Se for de carro, respeite as velocidades máximas e tenha presente que vai transitar por caminhos de montanha que podem ter curvas fechadas e pendentes abruptas.

Navegue pela rota