COVID-19. Abrimos nossas fronteiras. Leia a informação aqui.

Procure em La Ruta Natural

Aqui você pode pesquisar na página de La Ruta Natural o conteúdo desejado.

Pesquisar:

Parque Nacional Los Alerces

Chubut

É um daqueles lugares de tirar o fôlego. Um parque nacional de beleza imponente que em 2017 foi declarado Patrimônio Natural Mundial pela UNESCO. Lagos e rios azul-turquesa, geleiras, cachoeiras e o “Alerzal Milenario” (lariços milenares), um setor da selva valdiviana com alerces (lariços) de mais de 2.500 anos.

Pode ser visitado durante todo o ano. De outubro a abril para acampar e fazer caminhadas. De junho a setembro para esqui e outras atividades na neve em La Hoya. Cobra-se taxa de ingresso.

Para conhecer
Para conhecer

O parque é ideal para acampar, descansar em uma cabana, fazer caminhadas, trekking, caiaque, passeios no lago, cavalgadas e curtir a natureza na sua melhor expressão. Você pode passar o dia, mas é melhor deixar  mais tempo para ver tudo o que ele oferece. A RP 71 o  atravessa de norte a sul e margeia seus principais lagos.

Lagos e rios

Na zona norte do parque, o enorme Lago Rivadavia tem uma vasta oferta de alojamentos e trilhas. O pequeno e belo Lago Verde, onde há trilhas e mirantes, é um convite para  acampar ou se hospedar em domos.

 

Ao sul começa o surpreendente Rio Arrayanes, de águas incrivelmente cristalinas, que oferece alguns dos mais belos cartões postais do parque. Atravessando sua famosa ponte suspensa e seguindo uma trilha de meia hora, chega-se a Puerto Chucao, às margens do Lago Menéndez, de onde partem as excursões para o “Alerzal Milenar” (Lariços milenares).

Alerces Milenares

A excursão de catamarã ao Alerzal Milenar sai de Puerto Chucao e navega pelo Lago Menéndez até Puerto Sagrario. Aí começa uma caminhada guiada de 2 km pela zona intangível do parque no meio da selva valdiviana, que em nosso país só cresce em alguns lugares da cordilheira.

 

Os alerces ou lariços “jovens”, com 100, 200 ou 500 anos, dão lugar ao “Alerzal Milenar”, com exemplares de até 60 metros de altura e mais de 2 mil anos. No caminho, você passa pelo lago Cisne e pelo rio com o mesmo nome, que leva ao pé do Lahuán ou “Alerce Abuelo” (lariço avô), de 2.600 anos.

Futalaufquen e Futaleufú

Em direção ao sul chega-se ao imenso lago Futalaufquen, que oferece hospedagem e serviços variados (com Villa Futalaufquen como núcleo principal), e no limite sul fica o lago Futaleufú, onde se pode visitar uma usina hidrelétrica.

 

Muitos lagos menores,  rios e trilhas podem ser visitados contratando excursões.

Cholila

Fora do parque, Cholila é uma boa base para caminhadas pelo bosque, cavalgadas, pesca esportiva, passeios de barco em rios e lagos, safáris fotográficos, escaladas a serras e visitas a locais históricos, como a cabana onde se refugiaram os famosos bandidos Butch Cassidy e o Sundance Kid.

Como chegar e circular

Desde Esquel (con aeropuerto) y Trevelin se puede ingresar al parque en auto, taxi, remís o con excursiones. La RP 71 lo recorre de norte a sur y bordea sus principales lagos. 

 

De Esquel a Villa Futalaufquen son 52 km por RN 259 y RP 71 (todo asfaltado). Hay un ómnibus diario que parte de Esquel y pasa por Villa Futalaufquen y puntos de interés en la RP 71.

 

Desde El Bolsón, en Río Negro, se llega a la portada Norte del parque por RN 40 y RP 71 (105 km en total, 28 de ripio), pasando por Cholila y lago Rivadavia.

 

El Alerzal Milenario se visita con una excursión de navegación y trekking.

Onde dormir

En el parque hay hosterías, cabañas y campings agrestes y con servicios. También hay alojamiento en Villa Lago Futalaufquen y Villa Lago Rivadavia.

 

Fuera del parque, Esquel y Trevelin, El Bolsón, Lago Puelo y Cholila ofrecen variadas opciones de alojamiento y gastronomía.

Mais informações